domingo, 23 de abril de 2017

Dia Mundial do Livro e Dos Direitos de Autor

Em 1995, no decurso da 28ª Conferência Geral, a UNESCO declarou o dia 23 de Abril como Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor.
A escolha da data tem por base a lenda catalã de S. Jorge, cujo dia se comemora precisamente a 23 de abril. Segundo a lenda, São Jorge matou o dragão que atemorizava o povo, e do sangue do dragão nasceu uma rosa que o santo deu de presente à sua princesa. Por isso, nesta data manda a tradição que os cavalheiros ofereçam uma rosa vermelha às suas damas. Em troca, estas devem oferecer-lhes um livro.
Assinala-se também neste dia a morte de dois dos mais famosos escritores de sempre: William Shakespeare e Miguel de Cervantes, no ano de 1616.


Comemorações em Portugal

Em 2017 a DGLAB decidiu associar esta comemoração à dos 150 Anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal, o que justifica o tema do cartaz da autoria de Cristina Sampaio e o lema "Faça da leitura uma causa de vida".
Esta data também é assinalada este ano pela cerimónia de apresentação pública da nova etapa do Plano Nacional de Leitura para 2017-2027 (PNL 2027), que decorrerá ​no próximo domingo na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto, pelas 11h30.
"O PNL 2027 visa apoiar e fomentar programas especialmente vocacionados para favorecer a integração social através da leitura, em diferentes suportes; a formação dos diferentes segmentos da população - crianças, jovens e adultos; a inclusão de pessoas com necessidades específicas; o desenvolvimento articulado de uma cultura científica, literária e artística; e, ainda, o acesso ao saber e à cultura com recurso às tecnologias de informação e comunicação. … Para este fim, concorrem diretamente o Programa de Promoção da Leitura, a Rede de Centros de Ciência Viva, a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas, a Rede de Bibliotecas Escolares e as bibliotecas das instituições do ensino superior" (PNL - Apresentação).
Fonte: http://www.rbe.min-edu.pt/np4/1922.html


Mensagem da UNESCO para o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor 2017

Mensagem de Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO, por ocasião do Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.

O Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor é uma oportunidade para destacar o poder dos livros para promover a nossa visão de sociedades do conhecimento que são inclusivas, pluralistas, igualitárias, abertas e participativas para todos os cidadãos. 
Diz-se que a forma como uma sociedade trata os seus membros mais vulneráveis é uma medida da sua humanidade. Quando nós aplicamos essa medida à disponibilidade de livros para as pessoas com deficiência visual e para aquelas com deficiências físicas ou de aprendizagem – com diferentes causas –, somos confrontados com o que somente pode ser descrito como uma “fome de livros”. 
De acordo com a União Mundial de Cegos, aproximadamente uma em cada 200 pessoas em todo o planeta – 39 milhões de nós – não pode ver. Outros 246 milhões têm uma visão muito reduzida. Essas “pessoas com deficiência visual”, ou “pessoas com deficiência de escrever/digitar”, conseguem aceder a cerca de 10% de toda a informação escrita e obras literárias que as pessoas com visão podem ler. 
Livros mal projetados ou inacessíveis também limitam a leitura e a compreensão das pessoas com deficiência de aprendizagem. De acordo com a Associação Internacional de Dislexia, de 3% a 5% da população escolar necessita de instalações especiais e apoio. 
A Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável marcam uma mudança de paradigma quanto ao reconhecimento do direito das pessoas com deficiência em aceder a livros, ao conhecimento e à vida cultural em igualdade de circunstâncias com os outros. 
Baseada na Convenção, a UNESCO está a trabalhar no sentido de promover uma melhor compreensão sobre as questões relacionadas com a deficiência e de mobilizar apoio para o reconhecimento da dignidade, dos direitos e do bem-estar das pessoas com deficiência, assim como dos benefícios da sua integração na sociedade. 
Este é o espírito que orienta Conacri, capital da Guiné, que foi nomeada a Capital Mundial do Livro de 2017, em reconhecimento do seu programa para promover a leitura entre os jovens e as camadas desfavorecidas da população. 
Com Conacri e os nossos parceiros internacionais, a União Internacional de Editores e a Federação Internacional de Associações de Bibliotecários e Bibliotecas, vamos unir-nos para celebrar os livros como o desejo de compartilhar ideias e conhecimento, para inspirar a compreensão, a tolerância e as sociedades inclusivas.   
Para consultar o original em inglês, clique aqui.

Adaptada a partir de Representação da UNESCO no Brasil. [em linha] Disponível em http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/unesco_message_for_the_world_book_and_copyright_day/, consulta em  18.04.2017

Sem comentários:

Enviar um comentário

TATANKA na Casa das Artes

TATANKA, a conhecida voz dos Black Mamba sobe ao palco da Casa das Artes no dia 19 de maio Dono de um carisma e de uma voz inco...