quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

ESCRITORA ÉLIA RAMALHO

Escritora/ilustradora Élia Ramalho no Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo


Élia Ramalho esteve, em meados de janeiro, no Centro Educativo de Miranda do Corvo, com o objetivo de apresentar os dois primeiros livros da coleção “Artistas com História”, editada pela LER – Livraria Élia Ramalho.

Os alunos dos 2º, 3º e 4º anos puderam conhecer melhor a biografia e as obras de Frida Kahlo e Vincent Van Gogh e tiveram oportunidade de problematizar a função da arte e da pintura em especial para o desvelamento do mundo.

Ficou o repto da escritora/ilustradora para a realização de um workshop de pintura, a concretizar na Semana da Leitura, dado que Élia Ramalho também é pintora.

A organização do encontro foi da responsabilidade do Grupo de Trabalho Concelhio da Rede de Bibliotecas de Miranda do Corvo, em articulação com os docentes do 1º CEB.


sábado, 18 de janeiro de 2014

Personalidade do Mês de Janeiro

Anne Frank foi a personalidade escolhida para o mês de janeiro, mês em que se comemora o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

Autor do Mês de Janeiro

Alice Vieira foi a autora selecionada para o mês de janeiro.

Librorum - Boletim das Bibliotecas do Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo

Podes consultar aqui o boletim do 1º período.

Autor do Mês de Dezembro

Vergílio Alberto Vieira foi o autor escolhido no mês de dezembro.

Projeto de Animação da leitura

A partir da leitura da obra de Ana Saldanha "Ninguém dá prendas ao Pai Natal", os alunos do 1º CEB do Agrupamento continuaram a história com novas personagens.

Desafio da Biblioteca Escolar - Escreve uma Carta ao Pai Natal

Os alunos do Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo escreveram cartas ao Pai Natal em português, inglês e francês. Podes consultá-las neste e-book.



Dia do Desassossego

A vida e a obra de José Saramago foram divulgadas no mês de novembro, no âmbito das comemorações do Dia do Desassossego (dia 16).

Personalidade do Mês - 1º período 2013

José Eduardo Agualusa, Ondjaki e Malala foram as personalidades escolhidas para o 1º período de 2013/14.

MIBE - Mês Internacional das Bibliotecas Escolares

No mês de outubro, Mês Internacional das Bibliotecas Escolares, os alunos do 1º ano do Centro Educativo e da EBI/JI Ferrer Correia, bem como os alunos do 5º ano do Agrupamento, tiveram oportunidade de conhecer a organização das bibliotecas.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Visita guiada à Casa das Artes e Eliminatória do Campeonato “Quinto Império” da Rede de Castelos e Muralhas do Mondego


 

Concerto na Casa das Artes


Apresentação do livro "Morte Assistida"


A Biblioteca Escolar Manuel Alegre apoiou, com uma minifeira do livro, apresentação do livro “Morte assistida: Temos o direito de escolher a forma como morremos?” de Lucília Galha, que decorreu no passado dia 8 no auditório da Escola E.B. 2.3 C/ Secundário José Falcão.  A atividade foi organizada pelo grupo disciplinar de filosofia e do Grupo Leya, e contou com o apoio do grupo disciplinar de biologia, tendo sido dirigida aos alunos do nível secundário.

Segundo a autora, jornalista da Revista Sábado, este livro surgiu no decurso de um trabalho que realizava sobre o tema em maio de 2010 e, tendo conhecido a história da “Maria”, a primeira portuguesa que recorreu à Suíça, à associação “Dignitas”, para conseguir pôr termo ao sofrimento de um cancro em estado terminal, de uma forma digna, como ela dizia para o seu médico, “se eu não ficar curada quero morrer e não desparecer aos bocados”, em Portugal não existe esta opção e qualquer ajuda ou incitamento ao suicídio é penalizado com pena de prisão até três anos.

A obra conta com o depoimento dos dois amigos de Maria, que a acompanharam em todo este processo e estiveram com ela até ao último momento em que ingeriu, por sua mão, como é de lei segundo a legislação suíça, o barbital de sódio, substância que lhe traria a morte, e ainda com outros testemunhos de doentes em fases terminais de várias doenças, sobretudo do foro oncológico.

O que estes pacientes pretendem é morrer tranquilamente, acompanhados pelos seus familiares e poderem escolher a forma como morrem. De acordo com as palavras da autora, um dos objetivos primordiais deste livro é suscitar a discussão em torno “deste último tabu da sociedade ocidental”. Atualmente, sessenta por cento das pessoas morrem sozinhos numa cama, de um qualquer hospital, e a morte tornou-se assim, para todos os que ficam, algo distante que não se vela nem se presencia, morre-se cada vez mais tarde, mas não necessariamente melhor porque a “obstinação terapêutica” prolonga por vezes a vida para além do que é razoável. Coloca-se ainda o problema da dor inerente a estas doenças a qual, segundo os especialistas, pode ser atenuada em 95% dos casos com a tecnologia médica, mas nos restantes 5% ainda não é possível, e não se fala apenas da dor física, mas da dor moral e existencial.

Desde agosto de 2012 que o “testamento vital” foi legalizado em Portugal e qualquer pessoa pode declarar que cuidados de saúde não pretende que lhe sejam ministrados em caso de doença grave ou acidente, como o suporte de funções vitais, e ainda nomear um procurador que a representará e terá conhecimento da sua vontade.

Nas palavras da autora, é premente suscitar o debate em torno da eutanásia e do suicídio assistido em Portugal, já que somos dos poucos países europeus onde não existe uma associação “right-to -die” e esta questão parece manifestamente proibida, com pessoas a recearem assumir a sua posição, o que tornou, aliás, a realização desta obra bastante difícil, porque muito poucos ousam dar a cara por esta causa, salvaguardando a coragem e perseverança da Doutora Laura Ferreira dos Santos que tem sido das suas únicas defensoras.

Para que não tenhamos de ir morrer longe do país onde nascemos e de todos aqueles que amamos, e possamos fazê-lo com dignidade e liberdade de opção urge  quebrar o último tabu.

Chegámos a OUTUBRO, mês muito especial para as bibliotecas escolares, para celebrar o MIBE - mês internacional das bibliotecas escolares.  ...