quinta-feira, 20 de dezembro de 2018





MUROS = VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS

Biblioteca Escolar e Núcleo de Estágio de História 

evocam os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos


Comemoraram-se, no passado dia 10 de dezembro, os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela ONU (então com 58 membros) em 1948, no contexto pós segunda guerra mundial, onde se procurava estabelecer a ideia de que os direitos humanos deveriam ser garantidos a todos os cidadãos, independentemente do estado ou regime onde se encontrassem. Passado este tempo, e apesar dos progressos conseguidos, os dias de hoje exigem, mais do que nunca, a reafirmação desta ideia face à multiplicação de movimentos sociais e políticos, com discursos assentes na intolerância, no preconceito, na discriminação, na xenofobia e no ódio, pondo em causa não só a dignidade humana, mas os valores que se foram construindo, com maior alcance, a partir da revolução francesa em 1789.
O mundo dividido por muros, na sequência da segunda grande guerra, não acabou com a destruição do muro de Berlim em 1989, outros muros se levantaram desde então. Os discursos contra as minorias mais vulneráveis, os imigrantes, os refugiados, os “outros” estão presentes no nosso quotidiano e levantaram incontáveis muros que se transfiguraram em agressões, em muros de betão e arame farpado, fazendo esquecer que os direitos humanos são universais, não têm cor, nem religião, nem nacionalidade, nem etnia, sexo ou idade. Evocar estes muros e discursos é combater a incitação à divisão, ao ódio e à violência, que, em nome da proteção e segurança de alguns, promove a desigualdade, o racismo, a xenofobia e o pior dos nacionalismos, fazendo esquecer os Direitos Humanos.

A Biblioteca Escolar e o núcleo de estágio de História do Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo assinalaram a data denunciando os “MUROS SEM VERGONHA”. Tenhamos presente que é necessário e urgente preparar as gerações mais jovens para o exercício de uma cidadania plena, pois todos, e cada um, somos cidadãos do Mundo!




quarta-feira, 12 de dezembro de 2018


Atividades de promoção / animação da leitura 1º CEB



A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas e a Biblioteca Municipal de Miranda do Corvo, à semelhança do ano letivo transato, desenvolvem, em parceria, trimestralmente, atividades de promoção / animação da leitura para o 1º CEB.
Este período letivo, selecionámos a obra ALLUMETTE de Tomi Ungerer, editada pela Kalandraka. Trata-se de um livro que, segundo a editora, apresenta a história "A menina dos fósforos" nos dias de hoje, refletindo os grandes defeitos da humanidade de um ponto de vista esperançoso: uma menina como exemplo de generosidade, entrega e justiça social. É uma recriação do conto “A Menina dos Fósforos”, de Andersen, escrito por Ungerer em 1974, que lhe decidiu atribuir um final bem mais feliz que o do conto original.
Esta atividade surge da necessidade de reforçar a reflexão sobre valores que nos envolvem enquanto seres sociais, os quais enquadram as linhas de orientação da área da cidadania. A solidão, a pobreza, o sofrimento e a tristeza, entre outros, são sentimentos que envolvem as nossas vidas e devem ser objeto das nossas aprendizagens, para o qual a leitura desta história contribui. Como atividades paralelas à leitura, desenvolveram-se jogos verbais com vocábulos e valores refletidos em grupo/turma.

fonte da imagem: http://www.kalandraka.com/pt/colecoes/nome-da-colecao/detalhe-do-livro/ver/allumette-1/

Encontro com o escritor António Vilhena

O escritor António Vilhena esteve presente em todas as escolas do 1º CEB do Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo nos dias 21, 22 e...