sexta-feira, 27 de junho de 2014

Um livro... várias histórias

“Olhe, por favor, não viu uma luzinha a piscar?” ou “Corre, coelhinho, corre!” foi a obra de Bernardo Carvalho eleita pelas professoras bibliotecárias para desenvolver atividades de promoção e animação da leitura com as crianças da Educação Pré-Escolar durante o 3º período. Apresentamos aqui o resultado do reconto das histórias pelos alunos.



segunda-feira, 23 de junho de 2014

Alunos monitores das bibliotecas escolares visitam a Biblioteca Geral e a Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra


 
 
 
Com o objetivo de reconhecer o trabalho dos alunos monitores das bibliotecas do Agrupamento, bem como de lhes proporcionar um momento de aprendizagem, as bibliotecas escolares organizaram uma visita de estudo à Biblioteca Geral e à Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra, dado que estes alunos se empenharam a apoiar as bibliotecas escolares em diferentes atividades.

Os alunos puderam tomar conhecimento de algumas dinâmicas das bibliotecas visitadas, a partir da explicação dos técnicos que, simpaticamente, os acolheram e os orientaram pelas salas do catálogo, de leitura, dos reservados e de catalogação, bem como pelos depósitos da Biblioteca Geral e, finalmente, pela maravilhosa Biblioteca Joanina. Aqui só não se deixou ver a eficaz comunidade de morcegos que, zelosamente, apoia na preservação e proteção de tão rico espólio. No piso intermédio da Biblioteca os alunos também puderam apreciar a exposição que assinala o quarto centenário da publicação da “Peregrinação” de Fernão Mendes Pinto e espantaram-se com a Prisão Académica.

No final, os alunos escreveram os seus depoimentos, os quais manifestam o carácter motivador e propiciador de aprendizagens desta visita, que transcrevemos:

 “Eu gostei mais da Biblioteca Joanina, porque é antiga, estilo barroco, parece uma igreja e tem os morcegos e isto é muito interessante!” – Júlio Abrantes, nº 10, 6º H

“Gostei principalmente de ver os manuscritos na Biblioteca Geral. Acho que se deviam fazer mais visitas como estas para motivar a ida a bibliotecas.” – Maria João, nº 15, 9º D

 “Achei interessante a visita porque não sabia que havia cofres com livros, escadotes dentro das estantes e por haver prisões para estudantes.” – Carolina Pinto, nº 7, 8º A

“Eu gostei principalmente da estrutura e decoração da Biblioteca Joanina. Para além disso, também gostei da organização dos livros em ambas as bibliotecas e da área de estudo espaçosa e confortável.” – Isis Dias, nº 10, 7º C

“Eu gostei imenso da visita às Bibliotecas Joanina e Geral, porque nunca tinha visto manuscritos antigos, por isso esta visita foi interessante para mim.” – Alexandre Cardoso, nº 3, 7º F

“Gostei muito e gostava de voltar, mas a meio do ano.” - João Luís, nº 11, 7º C

Após a leitura destes depoimentos, queremos deixar aqui uma palavra de muito agradecimento a quem viabilizou esta visita, a saber, ao Sr. Diretor da Biblioteca Geral que autorizou esta visita gratuita, bem como à Câmara Municipal de Miranda do Corvo, que proporcionou a deslocação, também gratuita.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Os nossos animais de estimação...

Durante a Semana da Leitura, elementos da Universidade Sénior lançaram o desafio a alguns alunos do 1º CEB no sentido de contarem algumas passagens  com os seus animais de estimação. A Ana Luísa Neves, da EB1 de Rio de Vide, aproveitou para narrar algumas façanhas do seu gato Mimo que, mesmo após a morte, continua no seu coração.


terça-feira, 17 de junho de 2014

"Pensão Flor" na Casa das Artes de Miranda do Corvo

Dia 21 de junho, na Casa das Artes de Miranda do Corvo, não perca a atuação destes “Músicos do Mundo que por acaso estão em …” Miranda do Corvo.

Pensão Flor.
Lugar imaginário que a música vai tornando real.
Doze quartos, doze histórias, doze canções. No corredor há portas que se abrem para o Fado, a morna, o tango … E em cada quarto, janelas viradas para a rua. Ao longe o mar, alma de um povo mestiço, castiço, numa noite de arraial. Guitarra portuguesa ou talvez não.
A luz negra de um palco e a magia de uma tela de cinema. Espaço comum a 7 músicos que aqui partilham emoções, paixões, amores possíveis e impossíveis. Ponto de encontro ou ponto de partida?
Na Pensão flor a porta está sempre aberta.

“A Pensão Flor é, para quem conhece, uma local emblemático na cidade de Coimbra. Mas agora
é também um projeto musical aberto e arejado. Músicos do mundo que por acaso estão em
Coimbra” João Fernando Ramos, Jornalista RTP

Dia 21 de junho, 22h na Casa das Artes de Miranda do Corvo.
Entrada - 7 €
M/6
Reservas e venda de bilhetes na Casa das Artes de Miranda do Corvo (239 533141) Terça a sexta-feira: 14h/19h; sábado e Domingo: 15h/19h; dia do espetáculo: 20h às 22h.
Reservas no Posto de Turismo (239 530 316) e Biblioteca Municipal (239 530 326)




Clube de Leitura da Biblioteca Municipal Miguel Torga





É já no próximo dia 21 de Junho (sábado) pelas 15h00 que terá lugar mais uma sessão do Clube de Leitura da Biblioteca Municipal Miguel Torga.
Desta vez a obra escolhida para esta sessão foi “Lillias Fraser” de Hélia Correia.
Ainda está a tempo de participar, dirija-se  à Biblioteca Municipal requisitar o livro, ainda há vários exemplares.


Boas leituras!

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Ainda o workshop com Élia Ramalho

Podes ver os trabalhos dos pequenos pintores da turma 4º A do CE.

Workshop de Ilustração por Élia Ramalho




Élia Ramalho esteve, a convite das bibliotecas escolares, no Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo onde dinamizou workshops de ilustração, quer na Semana da Leitura, quer no 3º período, para alunos do Centro Educativo. Podem ser visualizados aqui os trabalhos produzidos pelos pequenos artistas.






Projeto SOBE e Expo-Miranda

O projeto SOBE, desenvolvido no 2º período pelas bibliotecas em parceria com a Unidade de Cuidados da Comunidade Torre de Sinos, assentou na leitura de histórias, na abordagem científica à higiene oral, em situações lúdicas com recurso a fantoches e a jogos de vocabulário. Terminou em grande com a exposição “Escovas de Dentes”, no Centro de Saúde de Miranda do Corvo, no âmbito das comemorações do Dia Internacional do Enfermeiro, e na Expo-Miranda, resultante do trabalho realizado pelas turmas da educação pré-escolar, do 1º CEB e do Centro Infantil da Fundação ADFP.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Estórias e Imagens do 25 de Abril


José Dias e Alexandre Ramires no Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo
O cidadão José Dias esteve no dia 3 de junho na EB 2.3 C/ Sec. José Falcão (Miranda do Corvo), tendo dado o seu testemunho a alunos do 3º CEB e ensino secundário sobre a sua experiência como opositor ao regime ditatorial antes do 25 de Abril. O dinamizador falou dos cinco pilares em que assentava o regime: partido único, censura, polícia política, religião única e guerra colonial. Mostrou como se foi construindo um outro Portugal, paralelamente ao Portugal da ditadura, com pessoas resilientes, corajosas e interventivas, que fundaram partidos políticos na clandestinidade, que divulgaram os ideais democráticos, que foram presas e torturadas e/ou exiladas, que arriscaram as suas vidas escamoteando a censura e a polícia política e que criaram as condições para a Revolução dos Cravos. José Dias refletiu sobre a maneira como os pilares da religião única e da guerra colonial começaram a ruir e aceleraram a revolução. Com efeito, o Concílio do Vaticano II deu uma nova visão da religião e permitiu aos católicos progressistas intervirem ativamente na construção de um novo Portugal. Também muitos oficiais milicianos eram estudantes recrutados, muitos deles universitários, facto que ajudou à concretização da Revolução, pois aqueles foram grandes apoiantes dos capitães de Abril.

José Dias terminou as duas intervenções apelando à mobilização dos jovens, no sentido de prepararem um futuro que é incerto e que acarreta graves perigos, os quais devem ser enfrentados com determinação, conhecimento e sensatez.

Também o Dr. Alexandre Ramires se deslocou, no dia 6 de junho, à EBI/JI Ferrer Correia (Senhor da Serra), tendo dinamizado duas sessões para alunos do 3º CEB e do ensino secundário.

Alexandre Ramires provocou-nos o olhar, fixou-nos imagens, desfiou estórias a partir do rosto de pessoas anónimas, de pessoas de hoje, do presente, atores com responsabilidades sociais e politicas. A partir dos sais de prata que imobilizam o tempo desmontou os momentos retidos de uma manifestação de um facto banal para nos levar a compreender pedaços da história que não conhecíamos, desvendando o passado ainda tão presente, fixando e reconstruindo memórias fotográficas. Apesar de uma imagem, uma fotografia poder valer por mil palavras, segundo o investigador, ela terá que ser sempre questionada, interrogada, cruzada com outras fontes para que esteja apta a falar sobre o que tem para dizer.

Autor de várias obras, o professor e investigador Alexandre Ramires recuou anos, séculos, na linha do tempo para nos desvendar os caminhos que os historiadores de imagem percorrem até chegar aos retratos de José Falcão e António José de Almeida, entre ouros republicanos, que construíram a nossa identidade.

A organização destas atividades esteve a cargo das bibliotecas do Agrupamento, em articulação com o Grupo Disciplinar de História.

quinta-feira, 5 de junho de 2014