quinta-feira, 26 de novembro de 2020

DIA 1 de DEZEMBRO: Restauração ou Restauro?

 

Brincadeiras com a língua portuguesa para assinalar o feriado do dia 1 de dezembro - Dia da Restauração

 

Prancha de BD cedida pelo docente e cartoonista CARLOS SÊCO


Este feriado recorda o Dia da Restauração da Independência, quando no dia 1 de Dezembro de 1640 Portugal reconquistou a soberania do país que tinha perdido, para a Espanha, 60 anos antes. O feriado foi estabelecido em 1910, pela Primeira República, devido ao seu forte simbolismo.

o vídeo que apresentamos resume os acontecimentos históricos dos acontecimentos mais marcantes, ora vejam;




Para conheceres melhor o Rei D. João IV vai a esta ESTANTE (clicar)

E tira o livro nº 8, que tem na lombada a letra "z"


quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Brincadeiras, em casa, para as famílias

 TEMPO PARA BRINCAR

 

«Brinca enquanto souberes!

Tudo o que é bom e belo

Se desaprende...

A vida compra e vende

A perdição,

Alheado e feliz,

Brinca no mundo da imaginação,

Que nenhum outro mundo contradiz!

Brinca instintivamente

Como um bicho!

Fura os olhos do tempo,

E à volta do seu pasmo alvar

De cabra-cega tonta,

A saltar e a correr,

Desafronta

O adulto que hás-de ser!»

                                Miguel Torga


Nunca será demais sublinhar e repetir o quanto a brincadeira é essencial à vida das crianças (e dos adultos).

Brincadeira é uma palavra ampla, larga, que integra uma multiplicidade de atividades úteis para o desenvolvimento e aprendizagem das crianças. Vejam só: BRINCAR é uma ação livre, espontânea, escolhida por vontade própria, plena de sentido, é a sua aprendizagem do mundo, fonte de prazer e de satisfação. Libertadora do excesso de energia, fomenta a autonomia, estimula a curiosidade, aumenta a autoconfiança, desenvolve a linguagem, o pensamento, a concentração e a atenção, são as bases do desenvolvimento da criança.

E os adultos que não se esqueçam de brincar, faz bem à saúde!

Não se recordam como é? Perguntem aos vossos filhos, eles ensinam-vos.

Para começar, ou melhor, para continuar, umas brincadeiras calminhas, brincar com palavras, sonoridades e voltar aos trava-línguas.

Vejam este livro: TRAVA LÍNGUAS

Nele se apresentam um conjunto de trava-línguas nas suas línguas originais – português, espanhol, italiano, francês e inglês – dando-nos a conhecer personagens tão divertidas como a “cabra traga trapos”, o “papa papão” ou os talvez menos soletrados “pauvre petit pêcheur” ou “Paquito que empaca copitas”.https://www.planetatangerina.com/pt



Agora ideias para umas brincadeiras mais mexidas:

- organizar no chão percursos, com fita adesiva, que podem sugerir vários jogos: andar sem sair do risco, andar sem sair do risco com algo na cabeça (almofada) , fazer os percursos com umas caricas/cápsulas;

- construir uma estrada de almofadas e rolar sem sair do lugar;

- construir uma teia, com lãs, à volta de uma porta e fazer de conta que é aranha, andar de fio em fio, sem a partir;

- acertar nos alvos com bolas de trapos (meias velhas);

- imaginar gincanas na sala, furar por baixo das cadeiras, agarrar uma batata com uma colher e andar de joelhos, …

Imaginem e divirtam-se!

Deixo-vos algumas fotos para se inspirarem:

Fonte: https://www.beesytoeasy.com/atividades-fisicas-dentro-de-casa-para-criancas-com-muita-energia/#google_vignette


         







        

Podem continuar a mexer as mãos e a língua com o desafio da semana passada.

Abraço MJV






quinta-feira, 12 de novembro de 2020

Para as famílias: oficina de origamis e oralidades

Esta semana outro desafio, desta vez para mexer as mãos e a língua. 
Iremos desafiar-vos a construírem origamis e a trautear uns trava-línguas.

O origami é uma técnica japonesa, ancestral, que consiste na mestria de dobrar papel, criando figuras, sem colar, nem cortar, o que quer que seja do papel. 
Etimiologicamente, a origem da palavra provém da junção dos termos japoneses:
ori, "dobrar", e kami, "papel".

Pensa-se que o origami tenha aparecido logo após a invenção do papel. Terá sido há muitos séculos atrás, pois sabe-se que, o papel apareceu por volta do ano 105 depois de Cristo (d.C.), na China. Contam que durante o século VII, monges chineses levaram o papel e as técnicas de dobragem para vários países, entre estes o Japão. É neste país que a arte dos origamis tem o seu maior desenvolvimento e uso.


Os trava-línguas são jogos verbais lúdicos que há gerações e gerações se reproduzem oralmente, quer por crianças, quer por adultos. 
Existem em todos os países e culturas, são provenientes da cultura popular, originários de rimas infantis e podem aparecer como prosa, frases, ou versos. 

O trava-língua desafia-nos a reproduzir, com clareza e rapidez, versos ou frases que possuam uma pronúncia difícil, devido ao grande número de sílabas repetida ou semelhantes. Trata-se de uma brincadeira que pode apoiar o desenvolvimento da dicção, em pessoas com problemas de pronunciar determinadas palavras.

Vamos lá aos desafios:

1º desafio – ler, memorizar e dizer (muito) rápido o texto

Copo, copo, jericopo,
Jericopo, copo cá;

Quem não disser três vezes (sem se enganar)

Copo, copo, jericopo,
Jericopo, copo cá,
Por este copo não beberá.


2º desafio - construir este copo em origami




3º desafio – ler, memorizar e dizer (muito) rápido o texto

Gato escondido
com rabo de fora
tá mais escondido
que rabo escondido
com gato de fora.

Atrás da pia tem um prato
Um pinto e um gato
Pinga a pia, apara o prato
Pia o pinto e mia o gato.


4º desafio - construir este gato em origami





5º desafio – ler, memorizar e dizer (muito) rápido o texto

O cão via a latinha e latia.

(dizer rápido 3 vezes sem se enganar)


Vaivém é o meu cão.
Se Vaivém fosse e viesse, 
Vaivém ia, 
Mas como Vaivém vai e não vem, 
Vaivém não vai.


6º desafio - construir este cão em origami



Fonte origamis: https://desdobrandoorigami.wordpress.com

 

Na Biblioteca Escolar Professor Seixas, há oficina de origamis, onde alunas e alunos têm realizado construções plásticas muito criativas, vejam:















sexta-feira, 6 de novembro de 2020

Desafios para pais e filhos, docentes e alunos(as), para quem quiser…

 Pois é, há desafios, para pais e filhos, docentes e alunos(as), para quem quiser, jogo dos provérbios e leitura a pares.

fonte da imagem: https://ncultura.pt/lingua-portuguesa-10-dos-melhores-proverbios-portugueses/

Os provérbios fazem parte de um dos géneros da literatura infantil que possibilitam a transmissão aspetos culturais de geração em geração. A par dos provérbios, temos um vasto e grandioso acervo de narrativas/romances tradicionais, contos, lendas, fábulas, poesia popular, histórias de cordel, rimas e toadas infantis, adivinhas e até as anedotas, que integram o mundo da literatura infantil e têm em comum a função: estimular as crianças para a descoberta e apropriação da linguagem; desenvolver competências especificas relativas à aprendizagem da linguagem oral e da escrita; e de modo mais amplo comunicar e compreender o mundo onde estão inseridas.  

pro·vér·bi·o nome masculino

1. Máxima expressa em poucas palavras e tornada vulgar.

2. Rifão; anexim; adágio.

3. Comédia em um ou dois atos cujo tema é um provérbio.
"provérbios", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa 

[em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/prov%C3%A9rbios [consultado em 05-11-2020]

Provérbio é um ditado popular, com um texto mínimo, de autor desconhecido, que é várias vezes repetido e se baseia no senso comum de um determinado meio cultural. São expressões comuns que se mantêm imutáveis através dos tempos, constituindo uma parte importante de cada cultura. Fonte: Wikipédia

Uma das razões que os torna populares é precisamente o serem maleáveis, não terem uma mensagem ou moralidade única, mas adaptarem-se à visão ou ponto de vista que se pretende transmitir.

E isto acontece e perdura no tempo há muitos e muitos anos. Mas o que torna o provérbio tão perene, tão transversal a todos os tempos?

Por que razão, sendo os provérbios vestígios de uma civilização pré-alfabetizada, oralizada e estruturalmente rural, mantêm validade e utilização numa atividade tida como ex-libris da pós-modernidade e da civilização urbana e global?

Questão colocada e respondida por José Teixeira (Professor Associado do Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho)

Este aparente paradoxo pode ser compreendido se se atender a que o provérbio consegue seduzir (também) por evocar perceções extremamente importantes para a nossa vivência social.

O primeiro desses valores é o de sentimento de pertença ao grupo, à comunidade linguística em que nos inserimos. Conhecer e dominar os provérbios (e as expressões fixas) significa dominar a língua como nativo, em grau bastante elevado. Faz-nos sentir membro do grupo e nele integrados, compreendendo bem os seus códigos linguísticos e comportamentais, constituindo isto um sentimento fundamental para o nosso bem-estar individual e social.

Depois, e ao contrário do que pode parecer a uma abordagem mais superficial, os provérbios são tolerantes, não implicam visões obrigatórias e afuniladas da vida, porque não implicam visões únicas de vivências e valores: para cada provérbio há quase sempre um outro que se lhe pode contrapor e todos são pontos de vista, ferramentas de argumentação.

Porque têm o grande trunfo de poderem ser contraditórios entre si, os seus valores ideológicos podem ser contrariados. E frequentemente, em publicidade, eles são alterados, transformados, parodiados em jogos humorísticos que só acrescentam sedução e interesse à mensagem linguística.

No fundo, o aconchego que o provérbio traz é o de nos fazer sentir habitando uma casa comum, uma casa que nos dá uma sensação envolvente e materna: a língua que partilhamos. Fonte: http://hdl.handle.net/1822/45141

O estudo dos provérbios tem assumido destaque pela Associação Internacional de Paremiologia, com sede em Tavira, que podem visitar aqui:

http://www.aip-iap.org/pt/noticias

"Paremiologia" significa estudo científico dos provérbios e provém da palavra grega paroimía, que significa "provérbio; parábola".


Jogo dos provérbios:

Fica aqui um desafio para todos jogarem, até dia 12 de novembro, vamos ver quem consegue mais pontos.

Para acederes ao jogo podes usar dois caminhos:

1- procuras na internet a página Kahoot.it (https://kahoot.it/), colocas o código 09553796,         , a seguir o teu nome e toca a jogar!

2 - segues este link: Provérbios, colocas o teu nome e toca a jogar!

Nota: Se quiseres, podes ainda instalar a APP, Kahoot no teu telemóvel, para jogares quando quiseres (disponível no google play ou outra plataforma).


Do mundo vasto e grandioso da literatura infantojuvenil portuguesa selecionei este livro para leitura a pares, à vez, para filhos e pais. Boas leituras!


               O LIVRO DA TILA






Continuando a falar de livros, passem pelas Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas onde encontrarão estes livros que podem requisitar para ler em casa:

  


Abraço MJV


Louco como Eu

  Com Susana Moreira Marques "Joyce Carol Oates disse uma vez que quando os escritores perguntam uns aos outros a que horas começam a e...